Nacional

Centro monitora e coordena ações do Governo Federal de combate ao coronavírus

Nesta quarta-feira (25), a Casa Civil apresentou à imprensa o Centro de Coordenação das Operações do Comitê de Crise da Covid-19, CCOP. Instalado na Sala de Reuniões Suprema, no Palácio do Planalto, o centro é subordinado ao Comitê de Crise da Covid-19, coordenado pela Casa Civil, que articula e monitora as ações interministeriais de enfrentamento à pandemia.

De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Braga Netto, os trabalhos do centro estão em andamento desde as primeiras medidas de enfrentamento tomadas pelo Governo Federal.

“Em 3 janeiro, o Ministério da Saúde solicitou esclarecimentos à OMS e, naquele momento, ainda não se tinha o tamanho exato dessa pandemia. Após, uma sequência de ações puderam ser observadas por todos”, afirmou.

Os 32 servidores, estão organizados em dois ambientes. No primeiro, dentro da Sala de Reuniões Suprema, estão os responsáveis por fazer o acompanhamento da situação e o planejamento de momento. Na antessala, estão os grupos temáticos como, por exemplo, o de logística. “É desse grupo que virão as soluções para a logística de vacinas ou trânsito de brasileiros no exterior. Os pedidos são recebidos CCOP e se chega a uma melhor solução para o aproveitamento dos serviços”, explicou Braga Netto. 

Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da COVID-19

O Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da COVID-19 é coordenado pela Casa Civil e atua de forma integrada com o Grupo Executivo Interministerial de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional e Internacional, de que trata o Decreto nº 10.211, de 30 de janeiro de 2020.

Além da coordenação do ministro-chefe da Casa Civil, o general Braga Netto e do secretário-executivo, o subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, Heitor Freire de Abreu, o comitê também conta com representantes de ministérios, empresas públicas e agências reguladoras. Além da Casa Civil, as outras pastas representadas serão Saúde, Justiça e Segurança Pública; Defesa; Relações Exteriores; Economia; Cidadania; Infraestrutura; Educação; Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; Desenvolvimento Regional; Mulher, Família e Direitos Humanos; Secretaria-Geral da Presidência; Secretaria de Governo; Gabinete de Segurança Institucional (GSI); Advocacia-Geral da União (AGU), Controladoria-Geral da União (CGU) e do Banco Central. Além de Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde; Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

0 Compart.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *