Polícia

O Nordeste goiano precisa de espaço na eleição de 2014

As regiões Norte e Nordeste são as mais esquecidas, tanto no âmbito nacional quanto em Goiás. A diferença é que já houve diversos presidentes e vices nordestinos e no nível regional a mesma sorte não se repete. No Estado, pela primeira vez, o vice-governador é alguém de Posse. José Éliton Júnior nasceu em Rio Verde, no Sudoeste, mas desde criança mora, estuda e faz carreira em Posse, uma das principais cidades no Nordeste. E compensou, para a região, ter alguém no palácio. Com José Éliton entre os majoritários eleitos, as atenções se voltaram para um lugar onde só havia abandono. Agora, a luta das duas dezenas de municípios do Nordeste deve ser para incluir candidatos locais também nas chapas de oposição. Quem quer que seja o vitorioso, o importante é manter a representatividade.José Éliton, o pai do vice-governador, foi prefeito de Posse e tentou voltar ao cargo no ano passado. Todas as forças políticas da oposição se uniram para derrotá-lo e conseguiram. O resultado ficou aquém da expectativa. Pintam os primeiros sinais de que a cidade se arrependeu. O eleitor recebeu dezenas de obras, votou contra quem carreou os benefícios e agora vê o seu preferido, José Gouveia, dar com os burros n’água. Gouveia é dentista profissional e está deixando o povo de boca aberta com sua ineficiência. Espera-se que Gouveia reaja, porém, tem sido um fiasco. A cidade não colocou José Éliton pai na prefeitura, mas a região tem José Éliton Júnior no governo, por isso a situação é menos pior. José por José, o doutor Eltin poderia estar melhor que o doutor Gouveia.Se a dupla PMDB-PT incluir alguém do Nordeste e a terceira via de Vanderlan Cardoso e Ronaldo Caiado tiver a mesma deferência, quem ganha é a região. De qualquer maneira, com Marconi, Caiado ou Vanderlan, o Nordeste terá um político brigando por verbas e outros benefícios. A prática pode parecer arcaica, deveria estar em desuso, mas continua em vigor e com muito vigor. As mostras são encontráveis na situação e na oposição, nos níveis federal e estadual. Os exemplos mais concretos são dois parlamentares, Pedro Chaves, do PMDB, e Iso Moreira, do PSDB. Distantes no patamar partidário, eles são fundamentais quando o assunto é verba para o Nordeste. Na Câmara federal e na Assembleia, os dois passam em branco na maioria dos debates, mas se transformam em leões na defesa do Nordeste goiano.É a visão do quadrante mais esquecido do Centro-Oeste brasileiro: em vez de tirar José Éliton da vice de Marconi, por questões intestinas de siglas, a meta deveria ser confirmá-lo como companheiro de chapa da reeleição. Além disso, encontrar outros dois nomes e incluí-los na vice dos adversários de Marconi. Éliton Júnior fez o caminho contrário, nasceu numa cidade desenvolvida, destino de grandes investimentos públicos e privados, e optou por Posse. Que o exemplo se espalhe e frutifique.A extensa lista de obras que José Éliton conseguiu para a região reafirma o acerto de contar com um defensor na administração estadual. Maguito Vilela fez o mesmo por Jataí, Alcides Rodrigues ajudou bastante Santa Helena e Marconi industrializou Palmeiras. Ressalte-se que as três cidades e suas regiões são tradicionalmente ricas. Posse é uma cidade pobre de uma região paupérrima. Ter alguém no palácio é o mínimo necessário para sonhar com o desenvolvimento regional.

POR:Da Redação 730 Am.

 

0 Compart.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *